terça-feira, 8 de dezembro de 2009

03:01am

Meu bem, depois da carta vem muito mais
Que desenhos e poesias,
De onde veio foi-se o caos [...]

O transtorno latente trás lembranças
A cada poente vadio que assisto mudar de cor.
A pele expulsa a calmaria marota que doma a prosa
Ao seguir quase sempre em meia-volta.
Eu já nem sei, meu bem, se realmente há uma simbologia
 Que descreva o meu au revoir,
Caso haja algum pressuposto a se declarar: Désolé!
Castro o doce ao persuadir o bom caráter.

O sonho é teu, porque pede uma súplica constante.
Vai meu bem, por mais uma noite, insista!
Eu sou mesmo é sado masoquista [...]

03:09am

7 comentários:

  1. Não sei porque, lembrou-me uma música do Raul Seixas, A maçã...

    Interessante o post, lerei-o novamente em breve...

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro seus textos.
    A sinceridade e a belezas que neles está contida é totalmente invejável.
    Espero que continues a melhorar.
    É um prazer ver meu blog por aqui.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto. Acho que nós vivemos tanto com a dor, que em certos momentos da vida nos acostumamos.. pelo menos aprendemos a suportá-la. aí quando tudo termina.. aquela dor .. que causava turpor em nosso peito, parece nos fazer falta.. e aí somos chamados de masoquistas.
    Adorei o texto Duda. beijos.

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu blog! Fascinante! *-*
    Escreves muito bem!
    Vou seguir, farei questão de passar por aqui, sempre que puder!
    Bom post! ;*

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente: Bravo! (2

    Seu blog ja faz parte do meu dia-a-dia. Beijos e, parabéns, te agradeço por escrever tão bem. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Magnifique! Adorei, viu...!!

    Verdade.. você também escreve poesias!! rs

    =**

    ResponderExcluir